Arquivo da categoria ‘Saúde e bem-estar

A Ordem das Cabeças Pensantes   Leave a comment

Mais uma edição a de numero 63 da jhcMídiaDigital

A Ordem das Cabeças Pensantes   Leave a comment

A Ordem das Cabeças Pensantes   Leave a comment

Trecho da cartilha do meu projeto Vá a Praia mais volte pra casa

Cabeças Pensantes atentem e vigiem É tempo de Verão

É tempo de verão. Roupas leves, peles queimadas, alegria beleza e sedução. Para isso nada melhor que a praia. Nessa época a população aflui em massa, porém é preciso ter muita atenção com a saúde.

É necessário observar algumas regras ao freqüentar as praias.

Atenção com a água quase sempre com níveis não adequados –poluição- ao banho de mar e evitar o uso da areia da praia para caminhar descalço, geralmente é comum estarem contaminadas por fezes de cachorros. Um desses riscos é a larva Migrans, os ovos desses parasitas entram na pele, rompe-se e o verme começa a fazer caminhos sob a pele. Existem outros perigos, os espetinhos de bambús restos dos churrasquinhos e dos espetinhos com camarões, e também alguns anzóis enterrados na areia.

O excesso de exposição ao sol pode causar desde uma simples ardência na pele até queimaduras de segundo grau, dependendo das substâncias aplicadas com o intuito de acelerar o bronzeado, além do câncer de pele, Hepatite A, conjuntivite, contaminação por bactérias presentes na água que levam a diarréia, são algumas das ciladas encontradas nas praias propriamente dita.

Também é preciso cuidado com a alimentação, peixe de água contaminada, pouco cozido pode causar Hepatite A. Essa doença também pode ser contraída quando nadamos em água contaminada. Nesse período o mais comum é a insolação, quando a pessoa expõe-se por muitas horas ao sol, e ao calor, sem a devida compensação.

O calor excessivo leva a perda da consciência e a desidratação, com suas conseqüências, que são; o vômito e a diarréia. Este é um assunto que deve ser levado a sério.

O filtro solar, óculos escuros e chapéus ou bonés, devem ser usados sempre. O sol também provoca um impressionante envelhecimento precoce da pele e lesões nos olhos.

A insolação resulta da incidência direta dos raios solares, provoca uma perda de líquidos, e a pessoa pode ter dor de cabeça, tontura, vertigem, falta de ar, aumento da temperatura corporal, mal-estar e vômitos. Ao primeiro sinal, deve-se procurar a sombra e ingerir líquidos em grande quantidade. Se houver queimaduras relevantes e, aumento da temperatura do corpo, a vítima deve ser levada e colocada em uma banheira com água em temperatura no máximo de 20 graus. O soro caseiro ajuda na sua reidratação

A conjuntivite também tem maior incidência no Verão, especificamente a do tipo bacteriano. Os principais motivos são; o calor e a umidade, que criam condições favoráveis a proliferação das bactérias.

Deve-se observar o cuidado de não levar a mão suja aos olhos. A higiene é o grande aliado. Para prevenir dos malefícios da radiação solar é recomendável o uso de óculos de boa qualidade. A radiação acelera a instalação da vista cansada e, está na origem da degeneração Maculas senil, doença da retina que afeta aos idosos. O ideal é usar óculos com lentes de policarbonato.

A pele é a que mais sofre no verão. Atingir um bronzeado rápido em um dia de praia usando bronzeador caseiro, e hábito de não usar proteção solar, são os principais casos, além da exposição prolongada ao sol, das alergias e queimaduras na pele.

Outro fator que deve ser observado é o longo período na água do mar, ou horas com a água salgada no corpo. È prejudicial. A água do mar tira a proteção da pele deixando-a irritada, ressecada, criando condições que facilitam a contaminação por microorganismo. É aconselhável usar o sabonete apenas uma vez em um banho por dia para não tirar a proteção natural da pele. Nos outros banhos use apenas a água.

Para aqueles banhistas que não são assíduos freqüentadores da praia, quando chegarem a uma praia procure um Guarda-Vidas e pergunte a ele qual o melhor lugar para tomar seu banho de mar. E lembre-se, nadar é na piscina.

-Mais, muito mais, eternamente-.

Publicado janeiro 28, 2012 por heitordacosta em Saúde e bem-estar

A Ordem das Cabeças Pensantes   Leave a comment

 

Cabeças Pensantes atentem e vigiem  Utilidade Pública

Email enviado por Cristiane Cerqueira

 

 ISTO CONVÉM SABER-O 4º SINAL…

 

Um dado IMPORTANTE a ser considerado.
Melhor   saber que pecar pela ignorância, nunca se sabe quando vai servir a informação adquirida em tempos de tranquilidade…..
      Os  Derrames  Cerebrais –  Agora existe um 4º indicador : A língua

Derrame: memorize as três primeiras letras…S.T.R.

  Só leva um instante ler isto…
Disse um neurologista que  se levarem uma vítima de derrame dentro das primeiras três horas, ele pode reverter os  efeitos do derrame  -totalmente.    Ele disse que o segredo é reconhecer o derrame, diagnosticá-lo e receber o tratamento médico correspondente, dentro das três horas seguintes, o que é difícil. 
RECONHECENDO UM DERRAME
Muitas vezes, os sintomas de um derrame são difíceis de identificar. Infelizmente, nossa falta de atenção, torna-se desastrosa. A vítima do  derrame pode sofrer severa consequência  cerebral quando  as pessoas que o presenciaram falham em reconocer  os sintomas de um  derrame.
Agora, os  médicos dizem que uma testemunha qualquer pode reconhecer um derrame fazendo à vítima estas três simples  preguntas: 

S*  (Smile)  Peça-lhe que SORRIA.
T*  (Talk)  Peça-lhe que FALE ou APENAS DIGA UMA FRASE SIMPLES. (com coerência)
(ex : Hoje o dia está ensolarado)
R*  (Rise  your arms) Peça-lhe que  levante AMBOS  OS BRAÇOS.   

Se ele ou ela têm algum problema em realizar QUALQUER destas tarefas, chame a  emergência imediatamente  e  descreva-lhe os sintomas, ou vão rápido à clínica ou hospital.

Novo Sinal de derrame – Ponha a língua fora.

NOTA: Outro sinal de derrame é este:
Peça à pessoa que ponha a língua para fora.. Se a língua estiver torcida e sair por um lado ou por outro, é também sinal de derrame.

Um cardiologista disse que qualquer pessoa que re-envie  este  e-mail a pelo menos 10 pessoas;  pode apostar que salvará pelo menos uma vida … Não  o considere uma corrente, mas sim, algo que todos devemos saber.

Eu já cumpri a minha parte…

—Mais, muito mais, eternamente-.

Publicado setembro 9, 2010 por heitordacosta em Saúde e bem-estar

A Ordem das Cabeças Pensantes   Leave a comment

 

Cabeças |Pensantes atentem e vigiem          " PRANAYAM "

 

Recebi do meu querido amigo Lula Araujo, essa informação. Por considerar ser apenas um exercício repasso a informação para vocês.

Breathing Therapy Makes u Relax

O nariz tem um lado  direito e um esquerdo; usamos ambos para inspirar e expirar.

Na verdade eles são diferentes: o direito representa o Sol, o esquerdo, a Lua.
Durante uma dor de cabeça, tente fechar a narina direita e usar a esquerda para respirar.
dentro de cerca de cinco minutos a dor de cabeça deve ir embora.

Se você se sente cansado, faça o contrário: feche a narina esquerda e respire pela direita. Num instante sentirá sua mente aliviada.

O lado direito pertence ao "quente" (Sol) por isso esquenta rapidamente, o esquerdo pertence ao "frio"(Lua)


A maior parte das mulheres repira com o lado esquerdo do nariz, então se resfriam rapidamente

.
A maioria  dos homens respira pela narina direita e isso os influencia.

Breathing Therapy Makes u Relax

Repare no momento em que acordamos, qual dos lados  respira  melhor , ou   mais? Direito ou esquerdo?

Se for o esquerdo você se sentirá cansado.

Então, feche a narina esquerda e use a direita para respirar, você se sentirá aliviado rapidamente.
Isso pode e  deve ser ensinado às crianças, mas é mais efetivo quando praticado por adultos.

Meu amigo costumava ter fortes dores de cabeça e sempre ia ao médico.

Houve um tempo em que sofria de dores de cabeça literalmente todas as noites,ficando incapacitado para estudar

Ele tomava analgésicos , mas  não funcionavam.

Ele decidiu tentar esta terapia de repiração: fechava a narina direita e respirava pela esquerda.

Em menos de uma semana sua dor de cabeça foi-se. Continuou o exercicio por um mes.
Essa terapia alternativa natural, sem medicamentos é algo em que ele tem experiência.
Então, por que não tentar?

Namastê!

 

  —Pois é…”Preciso saber viver.

—Mais,muito mais, eternamente-.

Publicado maio 20, 2010 por heitordacosta em Saúde e bem-estar

A Ordem das Cabeças Pensantes -Sobrevivente de um aborto – parte 1   Leave a comment

                                                                                           

                                                                      A Ordem das Cabeças Pensantes 

     Cabeças Pensantes atentem e vigiem Direitos Humanos.

 Tendo em vista tentativas para legalizar e descriminalizar o holocausto silencioso peço licença aos senhores para reproduzir vídeos que registram denúncias. Alguns revelam o assassinato do feto. Todos contem cenas impactantes.                           

YouTube – Gianna Jessen – Sobrevivente de um aborto – parte 1
                                                                

 

——Continua.

 

Publicado janeiro 17, 2010 por heitordacosta em Saúde e bem-estar

A Ordem das Cabeças Pensantes   Leave a comment

Cabeças Pensantes atentem e vigiem

  • Peço licença aos senhores para reproduzir esta reportagem.

Pai dá dinheiro a traficantes para não aliciarem seu filho de 21 anos

Funcionário público aposentado paga os traficantes para que não vendam crack ao filho

Humberto Trezzi e Ronaldi Bernardi  |  humberto.trezzi@zerohora.com.br ronaldobernardi@zerohora.com.br

Aos 52 anos, o empresário Roberto chorou ao descobrir que o vício havia domado o mais novo de seus dois filhos, Leonardo. Um metro e setenta e cinco “de pura inteligência”, segundo o orgulhoso pai, um aplicado estudante de Direito com 21 anos de idade. O “guri”, como a família o chama, não fraquejou para uma droga qualquer. Fuma de tudo e cheira de tudo. Principalmente crack e cocaína. O pai percebeu logo. Reconheceu os sinais: a agitação constante, a falta de concentração, os olhos avermelhados, os objetos de valor sumindo da casa.
Foi como um tiro. A vida de Roberto ia bem. Funcionário público aposentado, ele ainda recebe uma renda mensal pelo aluguel de um terreno. Mora em uma casa de dois andares, piscina, com sala de piano e sala de estudos, além de sete quartos. Cercada com muros altos e gradeados, ainda recebe a proteção de quatro cães.
Em vídeo, confira o relato do pai:
Aí veio o crack “e tomou de assalto” o guri, descreve o pai extremoso, daqueles que nunca negou colégio e faculdade particular aos filhos.
O mais inusitado é a forma como Roberto encontrou para tentar afastar Leonardo das drogas. Ele paga os traficantes para que não vendam crack ao filho. Oferece o mesmo valor da “pedra”, desde que eles não coloquem o produto na mão do jovem. E eles aceitam.
– Gastei R$ 15 mil com ele num ano, um carro zero em um ano e meio. Só nessa vidinha de pagar dívidas contraídas em função da droga, subornar bocas de fumo, financiar tratamento em clínicas privadas – recorda Roberto.
O empresário repete as palavras que o próprio traficante disse ao seu filho, quando Roberto foi buscá-lo na boca de fumo pela quarta vez:
– Vai te embora, guri. Tu é de família boa, estudante, tem futuro. O que tá fazendo aqui, se perdendo na vida?
O traficante virou informante do pai desesperado. Cada vez que Leonardo pisa na vila, o telefone de Roberto toca. É um vaposeiro (vendedor varejista de droga), avisando que o guri está mendigando uma dose de crack pela vizinhança. Aí Roberto pega seu carro do ano e vai na boca de fumo, arrasta o filho pelo braço e, com o outro, paga pela droga não usada. R$ 20, R$ 50, varia conforme o traficante e conforme a fissura do filho. Tem dias em que ele consome cinco pedras de R$ 5, outros dias são 10.
O traficante também denuncia quando Leonardo está na boca de fumo rival, na mesma vila. Os amigos não se espantam. Jeito de surfista, fala mansa, Roberto conhece as drogas. Filho de policial civil, foi usuário quando era jovem em Alvorada. Parou aos 35 anos, “naquelas promessas de Réveillon”.
Jovem está internado em fazenda terapêutica
Agora pai, Roberto teme perder o filho para as drogas. Magro, quase franzino, perdeu a paciência ao saber que o filho tinha trocado por droga um abrigo recém-presenteado, no valor de R$ 200. Entregou por R$ 5 numa boca de fumo.
Leonardo viu o pai irromper furioso na casa que funciona de quartel do tráfico. Exigiu a jaqueta, o traficante não quis, ele se atracou a socos com o criminoso e o deixou sangrando no chão. Arrastou a jaqueta e ainda um óculos escuro que o filho tinha deixado ali, em outra ocasião. A valentia teve um custo. O bandido está atrás de Roberto. O empresário, para se defender, comprou um revólver e circula armado pela cidade. A paz virou loteria.
Mas Roberto teve, nas últimas semanas, momentos de alegria. Foi quando o filho decidiu, por conta própria, buscar ajuda numa fazenda terapêutica. Leonardo está internado em Sapucaia do Sul, carpindo de sol a sol, contando os minutos longe da droga, como quem se benze ao conseguir mais um minuto longe de Satanás. É a terceira vez que o jovem tenta se livrar do prazer que escraviza. Nas outras duas, médicos o doparam, para esquecer a fissura do crack. Ficou longe por 30 dias, numa. Por 45 dias, na segunda tentativa. Voltou à pedra.
As idas e vindas em busca do filho drogado ajudaram a branquear o cabelo de Roberto. Nessa entrevista, concedida ontem a Zero Hora, o empresário desabafa, se lamenta, alterna momentos de comemoração e de frustrações. E detalha a tortura que é lutar contra a epidemia do século.

***

Na tarde de ontem, nas proximidades da orla do Guaíba, o funcionário público aposentado de 52 anos conversou com Zero Hora e relatou o drama que está vivendo com o filho mais novo.
Confira trechos da entrevista :
Zero Hora – Como começou o seu drama?
Roberto – É mais que um drama, é uma novela. Vi os sinais. Ele andava sempre agitado. Chamei num canto e prensei, falei que conhecia os sintomas. Ele negou, minha mulher não queria acreditar. Aí achamos cocaína. Os amigos que circulavam com ele admitiram que, na faculdade, rolava droga direto. Eles tinham até um esconderijo onde guardavam pedra e fumavam. Foi um choque. Chorei. Desconfiava que ele fumava maconha desde os 16 anos, o que ele me confirmou. Mas crack? Embrabeci. Aquilo é um sumidouro de dinheiro, de saúde, de tudo. Depois me acalmei e fui à luta. Levamos ele pelo braço duas vezes até psiquiatras, indicados pelos serviços públicos de saúde. Eles deram remédio. Na primeira vez, o Leonardo dormia 18 horas por dia, direto. Ficou sonado, meio abobalhado. Achamos que estava bem, suspendemos a medicação. Ele voltou ao crack em seguida. Começaram a sumir coisas em casa. Minha mulher só tem agora as joias que consegue carregar no braço. As outras ele vendeu tudo – e tinha muita herança de família. O guri, que é meigo, vivia brigando com a namorada. Ela largou o Leonardo. Aí ele piorou, se jogou de cabeça na droga, vendia até a roupa do corpo. Começou a fumar pitico, que é uma mistura de crack e maconha, um lixo que andam vendendo por aí.
ZH – E o senhor ia atrás?
Roberto – Sempre. Levava e trazia da faculdade. O guri tava como num presídio semiaberto… Com liberdade vigiada. Na fissura pela droga, ele pulava do segundo andar, em casa, à noite, para percorrer as bocas-de-fumo. Descobriu até como burlar o alarme infravermelho e sair sem acionar o sinal sonoro. Um artista. Todo drogado é artista, no mau sentido.
ZH – Como surgiu a ideia de pagar os traficantes?
Roberto– Puro desespero. Começou quando ele vendeu um relógio caro na boca de fumo, por uma ninharia em droga. Aí fui lá, falei com o vapozeiro (varejista da droga), paguei R$ 50 e resgatei o relógio. Acertei com o cara: da próxima vez que o Leonardo aparecer, tu me avisa, te dou R$ 20. E aí começou essa roda-viva. Até o vendedor de crack tem pena do guri. Uma vez ele deu um sermão no Leonardo, na minha frente. Disse: “tu é um guri de presença, de boa família, estudante. Cai fora dessa, pra ti não vendo mais, olha o desespero do teu pai”. O Leonardo chorou. Mas, noutro dia, estava em outra boca de fumo. Aí o traficante começou a me avisar quando o guri aparecia na vila, pedindo crack para os outros malandros, concorrentes daquela boca.
ZH – Foi aí que o senhor lutou com o traficante?
Roberto – Pois é. Ignorei com o cara. Mas, na hora, não pensei em nada disso. Foi porque o guri vendeu um abrigo de R$ 200 que eu e a mãe dele tínhamos presenteado, no fim de semana. Em dois dias, a roupa sumiu. Aí mandei buscar. Ele confessou que estava na boca de fumo. Fui lá, dei R$ 10 pro vapozeiro e mandei que fosse resgatar o abrigo com o traficante. O traficante não entregou, disse que valia mais. Aí me deu uma coisa, entrei na casa e enchi o sujeito de soco. Ele era grandão, mas peguei de surpresa. Arranquei o abrigo e saí fora. Agora estou me incomodando. O traficante anda com uma dupla, atrás de mim. Tive de comprar uma arma, um revólver 38. Ele não vai me pegar desprevenido. Acho que vai desistir.
ZH – E se não desistir?
Roberto – Paciência…Meus filhos são tudo para mim. Fiz burradas, mas hoje estou bem de vida. Eles não vão estragar as vidas deles. Aliás, o mais velho tá muito bem, obrigado. Sinal de que nem tudo está perdido. Vou dizer uma coisa: pai não vê que o filho usa droga porque não quer. A gente quer se enganar, todo pai é assim. Mas a droga está na escola, nas festas, na casa dos amigos deles.
ZH – Onde está o Leonardo, agora?
Roberto – Numa fazenda terapêutica. Dando duro. Carpindo. Cavando buraco. Plantando. O objetivo é voltar a valorizar as coisas simples da vida, o suor. Voltar a ter domínio sobre si mesmo. São três meses iniciais, nove meses ao todo. Nove meses porque simboliza o renascimento da pessoa. Se conseguir ficar um ano afastado das drogas, ele é diplomado. É difícil, 90% dos dependentes recaem. Leonardo já recaiu duas vezes. A saída, agora, é afastá-lo das antigas companhias. E arranjar trabalho para ele.
ZH – O senhor não acha errado subornar criminoso? Que conselhos o senhor dá?
Roberto– Sempre fui bonachão com os filhos, dava tudo. Dizem que isso não é bom. Sei que subornar não é a melhor saída, mas estou desesperado. Não me arrependo. E conselho não dou, faço é um apelo, às autoridades: olhem para o drama das drogas. Gastem dinheiro na prevenção e, também, em tratamento. Se são 55 mil viciados em crack no Rio Grande do Sul, pode multiplicar por 10 esse número para ver quantas pessoas são atingidas. Coloca nessa conta os pais, tios, irmãos. Todos têm a vida transtornada pelo dependente. Sofrem com ele. Se endividam com ele. Se enterram com ele. E, quem sabe, voltem a sorrir com ele.

—Pois é ; esse senhor em seu desespero ignora o perigo e vai resgatar das garras do mal , seu filho. Esse caso acontece no sul, eu fico pensando, se fosse no Rio de Janeiro esse senhor talvez não tivesse chance de estabelecer esse tipo de negociação.

— Mais, muito mais, eternamente-.

Publicado dezembro 17, 2009 por heitordacosta em Saúde e bem-estar