Arquivo da categoria ‘Livros

A Ordem das Cabeças Pensantes   Leave a comment

Cabeças Pensantes atentem e vigiem

                image

Contatos:< AOrdemdasCabeasPensantes@groups.live.com> heitordacosta@ig.com.br

Anúncios

Publicado agosto 14, 2010 por heitordacosta em Livros

A Ordem das Cabeças Pensantes   Leave a comment

Cabeças Pensantes atentem e vigiem                Revelações

 

DE BASARSE EN LA RELIGION, EN LA FE EN DIOS Y EN LA FRATERNIDAD HUMANA, LA LIBERTAD PODRIA SER INOFENSIVA; SI LA LIBERTAD DESCARTAR A LAS IDEAS DE IGUALDAD, QUE CONTRADICEN LAS LEYES DE LA CREACION (QUE A SU VEZ ESTABLECE LA SUBORDINACION), PODRIA EXISTIR EN EL GOBIERNO SIN SER PERJUDICIAL A LA PROSPERIDAD DEL PUEBLO. CON TAL FE, EL PUEBLO SE DEJARIA GOBERNAR POR LAS PARROQUIAS Y MARCHARIA HUMILDE Y TRANQUILO BAJO LA DIRECCION DE SUS PASTORES ESPIRITUALES, SOMETIDO EN LA TIERRA A LA DIVINA PROVIDENCIA. POR ESO ES PRECISO ARRANCAR DEL ESPIRITU DE LOS CRISTIANOS LA CONCEPCION MISMA DE DIOS, SUSTITUYENDOLA POR CALCULOS ARITMETICOS Y POR LAS NECESIDADES MATERIALES DE LA VIDA.

PARA NO DESPERTAR LAS SOSPECHAS DE LOS CRISTIANOS CON RESPECTO A NUESTRA POLITICA, ES PRECISO ENTRETENERLOS Y LLAMAR SU ATENCION DEL LADO DEL COMERCIO Y DE LA INDUSTRIA. DE ESA FORMA, LAS NACIONES LUCHARAN POR SUS INTERESES P ARTICULARES, SIN NOTAR EL ASECHO DEL ENEMIGO COMUN. MAS, PARA QUE LA LIBERTAD PUEDA DESAGREGAR Y ARRUINAR LA VIDA SOCIAL DE LOS GENTILES, ES PRECISO ESTABLECER LA ESPECULACION. DE ESTA FORMA, SE CONSEGUIRA EVITAR QUE LOS GENTILES RETENGAN LAS RIQUEZAS PROCEDENTES DE LA PRODUCCION DEL SUELO Y DE LA INDUSTRIA: POR VIA DE LA ESPECULACION, TODA LA ECONOMIA CAERA A NUESTRAS MANOS.

LA LUCHA POR LA SUPREMACIA Y LOS CHOQUES EN EL MUNDO DE LOS NEGOCIOS CREARAN UNA SOCIEDAD DESENCANTADA, EGOIST A Y SIN CORAZON. ESTA SOCIEDAD SENTIRA INDIFERENCIA POR LA RELIGION Y UNA PROFUNDA REPUGNANCIA POR LA ALTA POLITICA. SU GUIA SERA EL CALCULO Y SU CULTO LA PASION DEL ORO. LOS HOMBRES HARAN TODOS LOS ESFUERZAS IMAGINABLES POR CONSEGUIR EL DINERO QUE PUEDE PROPORCIONARLES LOS BIENES MATERIALES. ENTONCES, LA CLASE INFERIOR DE LOS CRISTIANOS SE NOS UNIRA EN CONTRA DE NUESTROS RIVALES MAS INTELIGENTES; NO LO HARAN POR IDEALES, NI SIQUIERA POR DESEOS DE RIQUEZA, LO HARAN POR ODIO ALAS CLASES ACOMODADAS.

ENTRE LOS MIEMBROS DE LAS LOGIAS SE HALLARAN CASI TODOS LOS AGENTES DE LA POLICIA NACIONAL E INTERNACIONAL, PORQUE SUS SERVICIOS SON INDISPENSABLES. ADEMAS DE TOMAR MEDIDAS CONTRA NUESTROS ADVERSARIOS, LA POLICIA, PODRA OCULTAR NUESTROS ACTOS, FABRICAR PRETEXTOS PARA ATACAR A LOS INSUBORDINADOS, ETC.

EN LAS SOCIEDADES SECRETAS INGRESAN GENERALMENTE LOS AMBICIOSOS, LOS A VENTUREROS Y DEMAS GENTE QUE, POR UNA U OTRA RAZON, QUIERE ABRIRSE PASO . ESTA ES GENTE SIN ESCRUPULOS, CON QUIENES NOS SERA FACIL ENTENDERNOS PARA AVANZAR NUESTRA CAUSA.

SI SE VERIFICAN DESORDENES, ES QUE HEMOS TENIDO NECESIDAD DE ELLOS PARA DESTRUIR UNA SOLIDARIDAD DEMASIADO GRANDE. SI SURGE UN COMPLOT, SU JEFE SOLAMENTE PODRA SER UNO DE NUESTROS MAS FIELES SERVIDORES. ES NATURAL QUE SEAMOS NOSOTROS SOLAMENTE QUIENES MANEJEMOS LOS ASUNTOS DE LA FRANCMASONERIA, PORQUE SABEMOS DONDE VAMOS Y CONOCEMOS LA FINALIDAD DE CADA DILIGENCIA; LOS CRISTIANOS NO SABEN NADA, NI SIQUIERA EL RESULTADO INMEDIATO: SE CONTENTAN ORDINARIAMENTE COM UM EXITO MOMENTANEO DE AMOR PROPIO EN LA EJECUCION DE SUS PLANES, SIN VER QUE DICHOS PLANES LES HAN SIDO SUGERIDOS POR NOSOTROS MISMOS.

LOS CRISTIANOS ENTRAN EN LAS LOGIAS POR CURIOSIDAD O CON LA ESPERANZA DE SABOREAR EL BANQUETE SOCIAL CON NUESTRA A YUDA; ALGUNOS LO HACEN POR TENER LA POSIBILIDAD DE EXPRESAR DELANTE DEL PUBLICO SUS SUENOS IRREALIZABLES: ESTOS TIENEN SED DE LA EXALTACION DEL TRIUNFO Y DE LOS APLAUSOS QUE DISPENSAMOS GENEROSAMENTE. LES CONCEDEMOS ESTOS LOGROS PARA EXPLOTAR LA SATISFACCION QUE SIENTEN; ASI RECIBEN NUESTRAS INDICACIONES SIN NOTARLO, PLENAMENTE PERSUADIDOS DE EXPRESAR SUS PROPIAS IDEAS (NO DE HABERSE APROPIADO DE LAS NUESTRAS).

NO OS PODEIS IMAGINAR CUAN FACILMENTE SE PUEDE CONDUCIR AL MAS INTELIGENTE DE LOS CRISTIANOS A UNA INGENUIDAD INCONSCIENTE, A CONDICION DE DEJARLO SATISFECHO DE SI MISMO. DE IGUAL MANERA, RESULTA SENCILLO DESCORAZONARLOS CON CUALQUIER FRACASO (AUNQUE SOLO SEA NEGANDOLES EL APLAUSO), Y ATRAERLOS A UNA OBEDIENCIA SERVIL A CAMBIO DE ALCANZAR NUEVOS TRIUNFOS.

ASI COMO LOS NUESTROS DESDENAN EL EXITO CON TAL DE LLEVAR A CABO SUS PROYECTOS, LOS CRISTIANOS SON CAPACES DE SACRIFICAR TODOS SUS PROYECTOS CON TAL DE OBTENER EL EXITO. ESTA MENTALIDAD FACILITA CONSIDERABLEMENTE LA TAREA DE DIRIGIRLOS. ESTOS PRESUNTOS TIGRES TIENEN ALMA DE CARNERO Y LA CABEZA COMPLETAMENTE VACIA. SUENAN TRANQUILAMENTE EN DESTRUIR LA INDIVIDUALIDAD HUMANA CON LA UNIDAD SIMBOLICA DEL COLECTIVISMO. NO HAN COMPRENDIDO NI COMPRENDERAN JAMAS QUE ESTA FABULA VIOLA LAS LEYES DE LA NATURALEZA: SI UNOS SERES SON DIFERENTES A LOS OTROS ES PRECISAMENTE PARA QUE AFIRMEN SU INDIVIDUALIDAD .

EL HECHO DE QUE HAYAMOS PODIDO CONDUCIRLOS A ESTA LOCURA Y CEGUERA DEMUESTRA CLARAMENTE CUAN POCO DESARROLLADAS EST AN SUS INTELIGENCIAS EN COMPARACION ALAS NUESTRAS. ESTA CIRCUNSTANCIA ES LA MA YOR GARANTIA DE NUESTRA VICTORIA.

CUANTA CLARIVIDENCIA LA DE NUESTROS ANTIGUOS SABIOS QUE DECIA QUE PARA CONSEGUIR UN FIN NO HA Y QUE DETENERSE ANTE NINGUN OBSTACULO NI CONTAR LAS VICTIMAS SACRIFICADAS! NO HEMOS CONTADO LOS INEPTOS CRISTIANOS VICTIMIZADOS. AUNQUE HAYAN CAlDO MUCHOS DE LOS NUESTROS, HEMOS CONQUISTADO LA TIERRA PARA NUESTRO PUEBLO. JAMAS IMAGINARON TENER TANTO PODER. LAS VICTIMAS, RELATIVAMENTE POCO NUMEROSAS, NOS HAN SALVADO DE MALOGRARNOS.

LA MUERTE ES EL FIN INEVITABLE DE TODOS. V ALE MAS ACELERAR EL FIN DE QUIENES LE PONEN OBSTACULOS A NUESTRA OBRA QUE ANIQUILAR A LOS QUE HEMOS CREADO. LIQUIDAREMOS A LOS FRANCMASONES DE MODO QUE NADIE, SALVO SUS HERMANOS, PUEDA SOSPECHAR (NI SIQUIERA LAS VICTIMAS DE NUESTRAS CONDENAS); CUANDO SEA NECESARIO, MORIRAN COMO DE UNA ENFERMEDAD CUALQUIERA. SABIENDO ESTO, LA PROPIA COFRADIA NO OSARA PROTESTAR. ESTAS MEDIDAS EXTIRPARAN DEL SENO DE LA MASONERIA TODO GERMEN DE PROTESTA. A LA VEZ QUE PREDICAMOS ENTRE LOS CRISTIANOS EL LIBERALISMO, MANTENEMOS A NUESTRO PUEBLO Y A NUESTROS AGENTES EN UNA OBEDIENCIA COMPLETA.

GRACIAS A NUESTRA INFLUENCIA, LA EJECUCION DE LAS LEYES DE LOS CRISTIANOS HA QUEDADO REDUCIDA AL MINIMO. EL PRESTIGIO DE LAS LEYES FUE MINADO POR LAS INTERPRETACIONES LIBERALES QUE HEMOS INTRODUCIDO EN ELLAS.

EN LAS CAUSAS Y LAS CUESTIONES DE POLITICA DE PRINCIPIOS, LOS TRIBUNALES DECIDEN SEGUN LES HEMOS PRESCRITO, MIRANDO LAS COSAS CON EL PRISMA QUE LES DAMOS. INTERVENDRAN PARA ESTO PERSONAJES DE LA OPINION PERIODISTICA Y DEMAS MEDIOS CON LAS CUALES NO TENEMOS RELACION APARENTE. LOS MISMOS SENADORES Y LA ADMINISTRACION SUPERIOR ACEPTARAN CIEGAMENTE NUESTROS CONCEJOS.

 

—-Pois é. O texto acima é um trecho do meu livro ‘DOSSIÊ”

—Mais, muito mais, eternamente-.

Publicado junho 9, 2010 por heitordacosta em Livros

A Ordem das Cabeças Pensantes – E-BOOK DOSSIÊ-   Leave a comment

   
                                                                       A Ordem das Cabeças Pensantes
 
 
 Cabeças Pensantes atentem e vigiem  O LIVRO DOSSIÊ
 
 
 
                                  
 
  Primeiro E-BOOK editado no Brasil. -Realismo Ficção Conhecimento Controvertido  Suposto-.                      
 
 
                                                                                                                 
 
 O livro DOSSIÊ conta através da ficção e realidade a emocionante aventura vivida por um grupo de jovens universitários que resolvem combater um terrivel adversário. A DITADURA DO ÍNDICE DE AUDIÊNCIA, imposta por parte da MÍDIA corrompida e comprometida com uma Organização Terrorista Internacional.

 Os métodos empregados, -a imoralidade, praticas de Pedofilia, pornografia, o erotismo, corrupção, alienação,- visam desestabilizar e, desestruturar a moral, familia, sociedade e, os poderes constituidos. 
 Durante o transcorrer do confronto, a maior parte desses jovens e presa e enviada para um horrivel lugar. Uma Clinica psiquiátrica.
 Após passarem uns longos períodos encarcerados, alguns obtêm asilo político, outros, através de uma brilhante ação são resgatados pelos companheiros de Facção.
  Em liberdade, elegem Paris para viverem clandestinamente enquanto reorganizam-se, porém, logo são descobertos e acossados por um grupo de agentes pertencentes ao Sistema atuando no exterior.
  No auge dessa intensa e dramática perseguição que ultrapassa o limite da fronteira parisiense e estende seu envolvimento em cidades argelinas, eles descobrem que estão lutando contra uma Organização Terrorista que há séculos tenta implantar um nefasto plano de dominação mundial.
 Após sofrerem um terrivel atentado, conseguem prender um Terrorista e com ele, uma pasta contendo detalhadamebte o milenar e sinistro proposito.
 A partir desse momento o leitor conhecerá as forças "ocultas".
 COMPREENDERÁ TAMBÉM PORQUE NADA MAIS SERÁ COMO ANTES!  
 
 —Mais, muito mais, eternamente-.
 
 
   

PS: A Censura foi atenuada. Os arquivos fotográficos reapareceram. Agradecido pela atenção.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Publicado janeiro 5, 2010 por heitordacosta em Livros

Cabeças Pensantes atentem e vigiem   Leave a comment

Foto-Heitor  Trechos do meu livro DOSSIÊ

 

PRÓLOGO

É madrugada. O telefone toca insistentemente. Acordado procura enxergar o número do aparelho que está ligando, às três horas de uma fria noite de inverno. Não há nenhum registro no identificador de chamadas do meu telefone. Quem poderá ser? Será da redação? Resolvo atender: Alô! Uma voz de criança do outro lado da linha quer falar com o jornalista Daniel Dantas.

-É ele que está no aparelho.

-Alô, um momento.

-É a Priscila. Ligue para mim agora! Clic.

Este é o seu codinome dentro da organização. Ela é modelo internacional consagrada, top star, contratada com exclusividade pela grife ZOOM SANTÉ lingerie de paris. Seu verdadeiro nome é Justine Alcântara, mas seu nome artístico no mundo fashion é Fanny Girl. Justine pertence a uma tradicional família paulistana, principal exportadora de soja do país. Seu pai foi, num regime passado, embaixador nos Emirados Árabes. Ela era menina quando veio para o Rio de Janeiro morar com a sua mãe, condessa Van Helerit D`Gróis Gróis que estava separada de seu marido, o conde D`Gróis, exilado na Líbia.

Justine viveu e cresceu no mesmo bairro, na rua onde eu ainda moro. Lá também reside quase toda nossa turma, inclusive a Heleninha Junqueira Fontes, filha do desembargador Junqueira Fontes. Ela era amiga íntima de Justine e as duas estudavam na mesma faculdade. Faltava apenas um semestre para o término dos seus estudos e o início de uma promissora carreira advocatícia. Porém, o destino não quis assim; (no mesmo dia que a Heleninha foi presa no seu apartamento junto com a turma da facção Boi Voador, eram ali que eles realizavam suas reuniões, a mãe de Justine falecia. Num só dia ela teve duas importantes perdas).

Hoje, Priscila é a responsável, principal elo entre eu e o grupo. A prisão de sua íntima amiga leva-a a ingressar na luta contra o sistema opressor e manter uma vida dupla.

Já faz quase seis meses que tento entrevistar o Gedenílson, famoso, perigoso e o mais procurado agente subversivo G, mentor intelectual do (PNB) PARTIDO NIILISTA BRASILEIRO, que luta contra a DITADURA DO ÍNDICE DE AUDIÊNCIA. Todas as ações realizadas com objetivos de desestabilizar o terrível e nefasto regime na região sudeste são atribuídas a ele. Gedenilson Vieira Nonato, seu nome de batismo, agora identificado pelo -SIRAN- SERVIÇO DE INTELIGÊNCIA E REPRESSÃO as ATIVIDADES NIILISTICAS como agente G.

Durante vinte anos Gedenilson viveu, morou e trabalhou no mesmo prédio, onde também morava sua madrinha Dona Dulce. Após a morte do desembargador Junqueira, que era viúvo, Heleninha herda o apartamento 703. Eu morava a uma quadra de distância do prédio. Às vezes, aos sábados, quando eu resolvia parar no bar do Veronis, via o Gedenilson por lá. Sempre me pareceu uma pessoa pacata.

Gedenilson ficou preso durante dois anos, incomunicável, nos porões da temida "CLÍNICA PSIQUIÁTRICA LOS CARACOLLES VIERDES CAMPOS" terrível cemitério de mortos vivos. Para esse lugar eram enviados os ativistas contestadores e simpatizantes do PNB. Poucos conseguiam resistir, porém, quase ninguém voltava de lá. Os meus contatos com Priscila eram feitos através de ligações em aparelhos públicos, por razões de segurança, e ela deve estar em algum ponto da cidade esperando a minha ligação.Vale a pena ir à rua agora, enfrentar este gélido vento sul na madrugada.

-Alô, Priscila como vai você?

-Que bom que você ligou Daniel! Serei breve. Vá amanhã ao bar do Veronis. Chegue lá às vinte e uma horas em ponto, peça uma bebida espere passar dez minutos, em seguida vá para o pátio em frente e sente-se à mesa. Espere, alguém fará contato com você. Clic tuu.

-Desligou sem se despedir.

 

Capitulo l

Às vezes imagino ver a Priscila desfilando nas passarelas, arrancando suspiros entre os aplausos da platéia fascinada pela elegância do seu caminhar, o menear dos seus quadris e, o seu olhar de soslaio e desprezo em direção ao público. Um metro e noventa e cinco de altura, 60 de cintura, um metro e vinte de pernas, 90 de quadris, 90 de busto, morena de olhos verdes. Maravilhosa e… Guerrilheira!

Ainda me lembro como se fosse hoje; durante uma quermesse em homenagem à santa Quiropita, Justine estava muito bonita, fazia nesse dia dezoito anos. Como sempre juntas, ela e Heleninha, estava próximo de um corredor, estreito, com pouca iluminação que mantinha toda sua extensão em penumbra e dava acesso à porta lateral da sacristia e ao adro. Esse local só era movimentado em dia de celebração de missas, eu acho que esse foi o fator preponderante que provocou o descuido em Justine na hora de abraçar e dar um longo beijo na boca de Heleninha no momento em que eu me aproximava delas. Atônito, segui em frente sem falar com elas quando Justine, rindo, dirigiu-se a mim perguntou. -Não fala mais com os pobres, ficou rico? Não lhe respondi. A minha decepção foi tão grande que eu só voltei a falar com ela depois do “estouro” de uma célula da facção do Boi Voador no apartamento e a prisão de Heleninha, quando já haviam passado dois anos".

Eu acho que este envolvimento, essas ligações não devem passar nenhuma conotação afetiva. Há sim interesses pessoais, profissionais de minha parte. Conseguir a entrevista com Gedenilson, realizando-a, estarei divulgando os ideais e as causas sociais defendidas pelo PNB, através de um dos seus principais líderes, será certamente um furo espetacular! Duro serei eu ter que explicar ao SIRAN como consegui encontrá-lo. Valia a pena prosseguir, apesar do risco ser enorme.

Capitulo II

À noite está muito fria. O termômetro digital instalado numa torre do mobiliário público da avenida principal registra cinco graus Celsius. O bar do Veronis faz parte, junto com outras lojas situadas no entorno de uma área aparentando ter uns cem metros quadrados onde são colocadas as mesas e cadeiras do comércio local; -três bares, uma padaria, duas lojas fechadas- do complexo comercial da faculdade de direito Doutor OCTAVIANO PINTO MENDES. Nesta época, inverno, e as atividades da faculdade suspensas pelo período das férias, lembram um pouco os bares de Quartier Latin. A nossa turma tinha por hábito, nos fins de tarde, se encontrar no bar do Veronis. Na parte externa tínhamos mesa cativa. O nosso grupo era formado por pessoas alegres, cabeças pensantes, advogados, músico, jornalista, empresário, técnico na área de informática, militares reformados, oficial da justiça, executivo da Embratel, funcionários da Rede Globo, artista plástico, professor, aposentado do INSS, funcionário da área da saúde todos presentes diariamente. Durante os nossos encontros vários assuntos eram abordados, não havendo nenhum que ficasse sem resposta. O conhecimento e a alegria de estarmos juntos enalteciam a nossa fraternidade.

São nove horas em ponto. O interior do bar abriga meia dúzia de retardatários, funcionários da faculdade, encarregado da limpeza do turno da noite. O lugar é pequeno, a noite alguns moradores do conjunto habitacional -Salvador Allende,- costumam ali comparecer. A maioria pertence ao segmento menos favorecido, são semi-analfabetos e por isso, embriagam-se com freqüência. O bar aparenta ter uns quarenta metros quadrados, quando você adentra, no seu lado direito encontra um balcão em forma de L que delimita o espaço de circulação do atendente para o cliente. Na parede que se encontra na lateral direita da entrada, há várias prateleiras que sustenta todo o arsenal químico etílico ali exposto à espera do supremo momento de ser consumido. Variado estoque para todos os gostos. A parede do lado esquerdo tem a sua frente três refrigeradores. Um pouco mais acima se encontra o televisor, no fim da parede um lavatório e um espelho, em frente os dois tradicionais banheiros. Paralelo a parede dos fundos há uma escada que liga o pavimento térreo com o piso superior onde estão instaladas a copa e a cozinha. Na frente, parte externa do lado esquerdo de quem entra, existe uma assadeira de alumínio que funciona alimentada por carvão, destinada a assar frangos. As mesas e cadeiras são colocadas na área externa.

Peço ao Veronis uma caneca de vinho tinto. Olho para fora do bar começa a cair uma chuva fina. Como irei sentar lá fora neste momento? Iria chamar a atenção das pessoas. O que eles iriam pensar? -Esse cara é maluco!- Mas se eu ficar aqui dentro, será que o meu contato virá ao meu encontro? O lugar marcado é lá fora. A chuva aumenta, agora não há condições de ir. Os funcionários da faculdade transformam sacos de lixo em capas improvisadas. Já se passaram dez minutos, lá fora não há ninguém. Os freqüentadores já foram embora. Só, fiquei eu e, o Veronis. Ele me diz que a noite está propícia para ficar em casa enrolado em um cobertor. Fico pensando; talvez, se houve duplo sentido, acho que ele gostaria de fechar o bar, e quer que eu vá embora. Lá fora, a área está completamente vazia, não há ninguém exceto uma pequena matilha, alguns cães estão envolvidos em uma disputa, -época do cio-, outros, seguem uma magra cadela, estrábica e manca. Despeço-me do Veronis e saio do bar. Caminho lentamente em direção ao meu carro. Agora, apenas uma úmida garoa molha meu rosto. O que será que aconteceu?

Foi uma noite mal dormida. Estou com os músculos das costas e dos braços doloridos. Talvez essa espera tenha ocasionado um estresse que me tirou o sono e provocou essa estafa. Nenhuma notícia de Priscila. O que terá produzido esse silêncio inoportuno? Tento relaxar, preparo um banho bem quente. Ligo o rádio para ouvir o noticiário vespertino. Em dado momento o noticiarista informa que o SIRAN havia feito uma intervenção no jornal A VOZ DO POVO ontem à noite. Num salto cobri a distância. -Um pequeno corredor- que separa o banheiro da sala. Transtornado, tento encontrar na secretária eletrônica alguma notícia de Priscila: Thummmmmmmmm. Nada! Resolvo ir à redação. Ao chegar no prédio que abriga as instalações do jornal, a redação as oficinas e o parque gráfico, o seu Antônio, velho amigo e porteiro a mais de trinta anos na empresa, veio ao meu encontro. Nervoso e falando em tom baixo me disse:

meu filho, tenha cuidado, eles estão lá em cima lhe esperando. Dei-lhe um abraço e entrei no elevador. A redação fica no terceiro andar. Em questão de segundos estou diante de minha mesa de trabalho. Sentado atrás dela, vejo um oficial do SIRAN. Eu não havia ainda entendido aquela situação em que me encontrava. Porém, algo me dizia que eu estava no epicentro de um furacão. Sendo assim, pensei; vou tomar a iniciativa. Posso saber o que o senhor está fazendo sentado na minha cadeira de trabalho?

-Estamos à sua espera já faz algum tempo, me respondeu ele.

Olhei em derredor; meu redator chefe, o Alírio, amigo de longa data, fiel parceiro nas noites de boêmia, cabisbaixo, a redação inteira parada e de pé, com exceção de uma senhora, -ela usava cabelos na tonalidade caju e ostentava um corte chanel-, só comparecia à redação três vezes por semana, ocasião que ”escrevia” uma coluna enaltecendo os programas apresentados pelo Sistema, na rede Planeta de Televisão que circulava de forma eventual, demonstrando estar procurando alguma coisa. Mais tarde descobriram que ela era um agente do SIRAN infiltrada dentro da redação.

-O que os senhores desejam?

-Senhor Daniel deverá nos acompanhar para que possamos esclarecer algumas dúvidas.

-Posso saber sobre o que?

-logo saberá, vamos.

-Súbito, vi-me cercado por quatro militares, todos com as patentes de oficiais em seus uniformes. Aparentemente não portavam armas. No caminho em direção ao elevador, o Alírio conseguiu falar após entrar na frente de um daqueles oficiais que me escoltavam; pediu-me que eu mantivesse a calma, pois já havia umas matérias prontas, contando sobre a minha ida forçada à sede do SIRAN, ela seria levada às bancas de jornal em edição extra, caso eu não voltasse no máximo dentro de quatro horas. Ele já havia providenciado tudo, até um advogado. Entramos no elevador, eu e os meus quatro acompanhantes. Na saída, antes de passar de fora para dentro do furgão, -era um carro caracterizado, de uma poderosa emissora de televisão-, ”Planeta,” percebo uma angústia no olhar do seu Antônio, preocupado comigo. Pensei; -menos mal, ainda há solidariedade-. Tentei acalmá-lo dirigindo-lhe um aceno, dizendo-lhe: será um breve passeio. Nesse instante sou empurrado para dentro do veículo, logo que ele começa a andar, recebo um violento soco no estômago, em seguida um capuz preto é enfiado em minha cabeça, os meus pulsos recebem um par de algemas. O homúnculo que me aplicou o soco foi justamente o que estava sentado em minha mesa de trabalho. Nunca irei esquecê-lo, sua imagem ficou gravada em minha retina.

 

O trajeto, imagina que tenha levado uma hora, apresentava muitas curvas, havia congestionamento, barulho de motores acelerando, sons repetidos de buzinas tocadas desvairadamente. Dentro do furgão foi mantido por eles um silêncio absoluto, até a chegada à sede do SIRAN à famosa clínica psiquiátrica Los Caracolles dos Vierdes Campos. O prédio, um casarão ostentando traços de arquitetura francesa original, embora ainda guarde em seu frontispício vestígios do estilo art decó, mantém funcionando podemos chamar parte social; -uma biblioteca, sala de musculação, piscina aquecida, salão de beleza, salão de festas e, uma boate.- Essas atividades têm sua área de atuação própria. Localizadas e separadas no interior central do imóvel.

Imponente, ele está erguido no centro de uma área medindo aproximadamente uns quarenta mil metros quadrados. A sua volta estão localizados os jardins, muitos bem cuidados e, um gramado com duas espécies de grama, com tonalidades diferentes, apresentando em uma parte um verde musgo e na outra, uma verde piscina. Desenhos feitos com flores silvestres apresentam formas geométricas. Fileiras de palmeiras e flamboyants ornamentam as laterais das aléas por onde passeiam os pacientes da clínica. As atividades ”sociais e clínicas” desse lugar servem como maquiagem aos verdadeiros propósitos, o confinamento de presos e, seqüestrados políticos, para ali conduzidos. O público que ali comparece, pertence às elites dominantes, associações e organizações de extrema direita, identificados com o sistema . A maioria, alienada, sequer sabia ou desconfiava que os porões úmidos e sombrios fossem câmaras de tortura.

A propriedade imóvel tem quatro pavimentos: o térreo abriga as atividades burocráticas e uma recepção que controla os acesso a uma área reservada (os porões). A outra entrada independente, lateral, ela conduz ao primeiro andar , aonde várias salas abrigam as atividades sociais. No segundo andar encontram-se as salas e gabinetes. Nesse lugar, falso ”médico” e, seus superiores, agentes disfarçados atendem os internos, (presos políticos.) Os dois últimos andares são destinados às enfermarias e quartos especiais dos pacientes ali internados. A maioria telespectadora obsessiva parenta de funcionários do alto escalão do governo, portadores de necessidades especiais; distúrbios emocionais, dependência química, esquizofrenia, idolatria, problemas neuro vegetativos, psíquico somático, descoordenação motora, alienação.

Na parte dos fundos da clínica há um heliporto e próximo dele um prédio de dois andares, com paredes laterais lisas, sem janelas, todo em concreto. Sua arquitetura é semelhante a um bunker. O acesso ao seu interior é feito através de uma única entrada. Para ingressar neste lugar o visitante é obrigado antes se submeter a uma rigorosa sabatina e minuciosa revista; (os agentes de segurança haviam sido treinados pelos temidos agentes do Mossad.) As visitas, raras, só acontecem quando o ”interno” tem grande expressão, política, social ou religiosa, em nível nacional e internacional e, a cobertura da ala progressiva da igreja.

A recepção também controla uma passagem secreta que liga a ante-sala do prédio, ”centro de triagem” aos porões da clínica. Os presos assim que chegavam, eram conduzidos para esse prédio e colocados nesta sala de espera. Os primeiros contatos com seus inquiridores eram feitos ali. No andar de cima há celas. Às vezes acontecia do preso primeiro ir para este lugar e ali ficar por tempo indeterminado. A tal tortura psicológica.

Nos fundos do pavimento térreo, dentro da área reservada, fica o necrotério. Ali existe uma sala, nela há uma passagem secreta, que leva à base do heliporto. Os interrogatórios acontecem nos subterrâneos da clínica. Nesse lugar, equipamentos modernos dão suporte a realizações de experiências, associados à imaginação torpe da mente humana. Alguns métodos herdados de épocas remotas, usadas pelos senhores da barbaria , Império Romano, as Cruzadas, Inquisição, Nazismo, Traficantes de drogas, Milícias e outros, modernos, tendo o apoio de certos profissionais da área de saúde, e a supervisão de agentes internacionais especialistas em técnicas eficazes, tornam infalível os meios de convencimento.

Um toque de buzina, em seguida o furgão para. Logo sou seguro por um dos meus acompanhantes e retirado para fora. Escuto vozes. Parece-me que são várias pessoas, algumas cantam músicas usadas em comerciais de produtos que patrocinam e mantém o sistema, outras, entoam cânticos evangélicos e músicas do programa da rainha. Mais tarde soube que aquelas pessoas ali internadas eram familiares dos diretores de emissoras de Rádios, Televisões e Jornais, que colaboram com os sistemas e que ali se encontram em tratamento. As vozes foram sumindo até não ser mais possível ouvi-las. Nos distanciamos do local. Andamos pari passu mais um pouco e, paramos bruscamente. Uma voz anasalada anuncia: -missão diamante retornando. Em seguida um som igual a esses emitidos por máquinas de caça níqueis quando dão prêmio (é a senha para abertura da porta.) Reiniciamos a caminhada. A temperatura baixa me faz entender que estamos em um recinto fechado. Subimos alguns degraus, consigo mentalmente contar, vinte e um. O silêncio é quebrado pelo barulho das solas dos coturnos dos sicários de encontro ao piso. Paramos novamente. Em seguida escuto; pessoas se afastam um ranger de porta e logo depois a batida de um ferro na porta. Um silêncio sepulcral ocupa todo o ambiente. Anuncia o início da minha solidão.

Neste lugar frio e úmido,

A terra treme.

Galinha cisca pra frente,

chique chique seca

macambira morre.

Juriti não consegue soluçar.

-Mais, muito mais, eternamente-

Publicado fevereiro 23, 2009 por heitordacosta em Livros

Cabeças Pensantes atentem e vigiem   Leave a comment

Foto-Heitor    DOSSIÊ

 

Atendendo pedidos através de emails reapresento texto de um trecho do meu livro “DOSSIÊ”.

 

A minha preocupação além de preservar a integridade da Justine é, ter alguém em condições de lutar pela libertação desses companheiros. Estou com minha cabeça fervendo, porém nada posso fazer, encontro-me refém dos fatos. Acho que um banho nesse momento irá me ajudar.

Como imaginei a forte ducha me ajudou, ainda não havia terminado de me enxugar ,percebo movimentação de pessoas no quarto, saio do banheiro -mal tive tempo de vestir meu pijama- e vejo o Doutor Lagardaré, o Latif e, mais dois homens, altos e fortes. O Latif vem ao meu encontro, me abraça e diz que teremos de sair o mais rápido possível. O Doutor Lagardaré quer antes olhar as condições do meu joelho, -evolução do estado clínico- porém, de maneira enérgica, mas educada, o Latif diz não haver condições no momento, em seguida dirigi-se a um dos seus acompanhantes, chama-se -Issan-, transmiti-lhe uma ordem; que ele vá para o corredor e prepare nossa cobertura, ao outro, pedi-lhe que lhe ajude a me carregar. Fico entre os dois, com os meus braços aberto apoiados sobre seus ombros, em seguida minha cintura é enlaçada pelos braços deles, desse modo sou conduzido para fora do quarto. No corredor vamos à direção do elevador de serviço. O Latif segura em uma das mãos, -livre-, uma pistola Luger, com silenciador e, pente com capacidade para vinte balas, o outro do meu lado, -ainda não sabia o seu nome- segura uma metralhadora Uzzi, o Issan na nossa cobertura, empunha um fuzil Ak 47. A nossa frente o Doutor Lagardaré abre a porta do elevador, faz o sinal de que tudo está bem e, entramos. Vamos para o estacionamento de serviço do Hospital. Parado a nossa espera está a camionete -o Doutor Lagadaré veio nela-, ao volante encontra-se outro companheiro. A porta é aberta pelo Doutor, sô colocado no último banco, ele senta-se junto a mim, no outro banco vão os dois companheiros e, ao lado do motorista vai o Latif. O Doutor Lagardaré apanha atrás do nosso banco, uma manta de lã, -irá me proteger do frio da madrugada-. Atravessamos o Rio Sena, vamos a direção do sul. Usando a estação de rádio móvel ligada no carro, -kit car- Latif começa falar com alguém por código.

O que terá ido fazer em Tamanrasset a Veronique? O fato torna-se mais estranho por não ter o Jofre em sua companhia. Como deve estar sendo tratado pelos seus algozes o Doutor Helmut? O SIRAN deve ter sido informado, -quem será o informante?- Que ele era um colaborador importante do Partido Niilista Brasileiro, membro da Facção Boi Voador, -plantado dentro do maior Centro de Convencimento do Sistema-, então, acusá-lo de exercer atividades contra o sistema imposto pela Ditadura do Índice de Audiência, não seria de bom senso, pois se admitissem o fato ele iria revelar duas situações desfavoráveis ao Sistema. A primeira no mínimo seria um paradoxo. O Doutor Helmut ter um cargo elevado dentro de um dos Órgãos mais visado dentro do Sistema, a Clinica Psiquiátrica Los Caracolles dos Vierdes Campos, a segunda, se a descoberta viesse a público ela colocaria em xeque a “competência” dos Órgãos de segurança, abalando sua credibilidade.

Eu acredito que o Doutor Helmut passará -caso resista-, por momentos dolorosos, eles sabem que o Doutor é um renomado pesquisador, PhD brilhante na área da Patologia, sua prisão, -provocaria na comunidade cientifica uma reação de protesto mundial-, que favoreceria a ele, obter um status de preso político, e logo conseguir ser asilado em algum país. Porém de forma brilhante, -para eles-, resolveram transformar o Doutor Helmut em um asqueroso traficante de órgãos humanos. Enquadrá-lo como criminoso foi um meio cômodo, eficaz. Para justificar sua prisão ele foi “descoberto” maquiando vários óbitos. -Essa era uma das funções que ele exercia na Clinica-, para isso contava com a colaboração de sua assistente, Ertha Geringer. Também presa.

 

-Condor para Pérola, Condor para Pérola câmbio

-Pérola na escuta prossiga

-pegamos o pássaro no ninho, estamos voando juntos, câmbio

-muito obrigada, bons ventos câmbio.

Emocionado reconheço a voz da Justine. Latif desliga sem que eu fale com ela, entretanto, em seguida explica-me a sua atitude.

-Querido amigo, me perdoe por não ter lhe dado à chance de falar com a Justine, porém, logo chegarmos ao nosso destino você terá essa oportunidade, mas agora, os contatos terão que ser breves e, em código. Espero que você compreenda, estamos no meio de uma guerra não convencional e precisamos ter o máximo de cuidado.

-Mas qual é o nosso destino?

-Estamos indo para Loire

-para o Castelo da Justine?

-Sim

-mas, lá não é perigoso?

-O perigo neste local está neste momento sob nosso controle.

-Senhor Latif, a Justine me disse que eu deveria acatar suas decisões e, nelas confiar. Todavia, além da curiosidade, a necessidade de saber o que está acontecendo me assola neste momento. Até agora a única informação que eu tenho é relacionada à presença de agentes do SIRAN aqui.

-Existem muito mais coisas realizando-se inopinadamente.

-Por exemplo?

-Além dos agentes do SIRAN que vieram do Brasil agora, há a presença -oculta-, de vários membros de uma Organização chamada

-ZELOTES?

-Exatamente. No momento é com ela que teremos com que nos preocupar.

-Mas por que?

-Os integrantes dessa Organização, -ela existe desde do século lll a.C. Aproximadamente-, eles são cruéis, corruptores, criminosos desapiedados, a maioria ainda mantém no seu código genético vínculos de uma geração de prisco era os, DEICIDAS ! Eles apóiam e subjugam esses agentes.  O que nós sabemos é que no inicio houve uma divisão entre os judeus, -os saduceus e os fariseus-. Os saduceus eram o partido do establishment, que controlava o Templo, e eram mais condescendentes em sua interpretação da Lei; os fariseus eram mais rígidos, mais radicais e mais austeros, e usavam a tradição oral para impor minúcias legalistas a todos os aspectos da vida judaica. Uma das principais diferenças nas crenças das duas facções dizia respeito à vida após a morte: os saduceus eram agnósticos e os fariseus insistiam na imortalidade da alma, na ressurreição dos mortos e nas recompensas divinas para a virtude e na punição para o pecado no mundo vindouro.

 

Os fariseus foram os mais vociferantes na sua oposição ao domínio romano, e entre eles havia seitas austeras e fanáticas, como os essênios, que viviam em comunidades semimonásticas, e os Zelotes, uma facção Terrorista que desprezava não só os romanos, mas todos os judeus colaboracionistas. Eles enviavam assassinos conhecidos como sicários (do grego sikaroi, através do latim sicarïi, literalmente “homens do punhal”) para se mesclarem à multidão e assassinar seus inimigos. Um contingente de Zelotes da Galiléia que se refugiara em Jerusalém travava guerra de classes contra seus anfitriões. “9”.

Sua paixão pela pilhagem era insaciável; eles saqueavam as casas de homens ricos, assassinavam homens e violentavam mulheres por prazer, e brindavam aos seus espólios regados a sangue. Devido a puro tédio, entregavam-se descaradamente a práticas efeminadas, adornando o cabelo e vestindo roupas femininas, encharcando-se de perfume e pintando a área sob os olhos para tornarem-se atraentes. Imitavam não apenas o vestuário, mas também as predileções femininas, e em sua extrema torpeza inventavam prazeres ilícitos; chafurdavam no lodo, convertendo a cidade inteira num bordel e poluindo-a com as práticas mais sórdidas. Muito embora tivessem feições femininas, suas mãos eram de assassinos; aproximavam-se com seu jeito afetado de andar, inesperadamente transformava-se em lutadores e, sacando a espada de sob seus mantos coloridos, trespassavam quem por ali estivesse passando. “10”.

A qualquer outro povo eles sentem apenas aversão e hostilidade. Sentam-se isolados para fazer as refeições e dormem à parte, e, apesar de, como raça estarem inclinados à concupiscência, abstêm-se de manter relações sexuais com mulheres estrangeiras; todavia, entre eles própios nada é ilícito. “12”

-Senhor Latif mas nós não fizemos nada contra essa Organização. A nossa luta é desenvolvida em nosso país, lutamos contra a Ditadura do Índice de Audiência, a opressão, o direito de expressão, a liberdade a fraternidade, contra o analfabetismo, a exclusão social, a corrupção, a falta de ética, da moral, em defesa da família do direito de escolha da religião, do Deus, contra a descriminalização do assassinato do feto, das drogas, de uma paternidade responsável.

-Querido amigo; nada acontece sem o conhecimento e a autorização deles.

-Mas como iremos identificá-los?

-A nossa Organização há muito tempo conhece os métodos usados por eles

-Nossa Organização?

-Sim.

-Senhor Latif que Organização é essa?

-A FLUP

-A FLUP? O que quer dizer?

-Frente para a Libertação e Unificação da Palestina.

-Senhor Latif desculpe-me, mas a nossa luta não tem nenhuma relação ou conotação com esse conflito existente no Oriente Médio.

-Tem muito mais do que você pensa mas, essa é uma longa história. No momento oportuno você tomará conhecimento dela. Mais posso adiantar-lhe que a FLUP, Frente para Libertação e Unificação da Palestina, é uma Organização Política e, eu sou seu líder, e a nossa participação e reivindicações são pacíficas, porém, há ocasiões que temos de usar meios não diplomáticos e, táticas beligerantes, para defendermos a nossa integridade e assim possamos, prosseguir na luta em defesa dos nossos objetivos.

-Senhor Latif, eu estou meio atordoado e confuso, pelo que eu sei, o senhor é de origem libanesa, empresário do ramo têxtil. Admitindo que haja, -ocultamente-, admiradores da causa Palestina eu jamais poderia imaginar que o senhor fosse um deles, quiçá, participante dessa luta.

-Senhor Daniel, eu não sou Libanês, sou Palestino. O que a nossa Organização busca junto à comunidade Internacional é, justamente o entendimento e, o reconhecimento dos nossos direitos, -os que foram usurpados e, os que nesse momento estão sendo tomados-. A nossa Nação tem o direito de ter de volta seu solo, reconhecida sua Pátria, o direito a vida. Essa carnificina comandada por esses sicários precisa ter um fim.

Hamede, tenha cuidado, logo à frente a uns cinqüenta metros, há uma curva para a direita perigosa, e na seqüência a redução de duas faixas sobre uma ponte de trinta metros de extensão. Fique bem atento, pois não dá para cruzar com um caminhão sobre ela.

–Senhor Latif não seria conveniente eu conhecer os membros de sua Organização?

-Querido amigo, não faltará oportunidade, quanto a esses companheiros, eles pertencem a uma ala, -especial-, como lhe disse antes, somos uma Organização Política mas às vezes temos que abandonar a diplomacia, nessa ocasião nós temos que chamar os nossos amigos; o Hamede é o nosso motorista, os outros dois companheiros, um chama-se Issan,e o que você ainda não ouviu seu nome é o Abdul.

-E o senhor Doutor Lagardaré? Também é integrante da Organização?

-Senhor Daniel eu sou admirador da causa, além disso colaborador.

-Então, somando, no momento somos cinco e meio, -contando comigo-, agentes da FLUP lutando contra o SIRAN e, a Organização dos ZELOTES.

-Tem muito mais gente. Há um comando no Castelo, outro em Argel, mais um em Paris, além do nosso. O dia está surgindo, ainda bem que nesta região o trafego nessa auto-estrada é esporádico. Estamos quase chegando, logo tomaremos o controle da situação. Abdul, dê ao senhor Daniel um dos nossos relógios.

-É especial senhor Latif?

-Sim, mas também registra as horas, ele é muito usado pelos membros de nossa Organização, Ele é rastreado por Satélite, tem um sistema de GPS e Bip, -localizador, que através das coordenadas, latitude, longitude favorecem a rápida localização-. O exército americano usou no Oriente Médio para resgatar pilotos de aviões abatidos no deserto. Também por intermédio dele descobrimos o assassinato de um nosso colaborador, o Senhor Grenobelle

-O diretor financeiro da Maison?

-Sim

 

-Mais, muito, mais, eternamente-.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado janeiro 6, 2009 por heitordacosta em Livros

Cabeças Pensantes atentem e vigiem- As Marionetes-   Leave a comment

 

                                                                                

    Foto-Heitor               Cabeças Pensantes atentem e vigiem       

 

                                                                              As Marionetes  

 

 

Cabeças Pensantes atentem e vigiem

As Marionetes

Capitulo ll

LA GUERRA ECONOMICA, BASE DE LA PREPONDERANCIA ZELOTE. FUNCIONARIOS DESAPRENSIVOS Y CONSEJEROS SECRETOS. EXITOS DE LAS TENDENCIAS SUBVERSIVAS EN LA CIENCIA. LA ASIMILACION EN POLITICA. IMPORTANCIA DE LA PRENSA.

PRECISAMOS QUE LAS GUERRAS NO CAUSEN VENTAJAS TERRITORIALES. LLEVADOS ASI LOS CONFLICTOS AL TERRENO ECONOMICO, LAS NACIONES RECONOCERAN LA FUERZA DE NUESTRA SUPREMACIA; TAL SITUACION PONDRA A AMBOS ADVERSARIOS ALA DISPOSICION DE NUESTROS AGENTES INTERNACIONALES, QUE DISPONEN DE RECURSOS ILIMITADOS, PARA LOS QUE NO HA Y FRONTERAS. ENTONCES NUESTROS DERECHOS INTERNACIONALES BARRERAN LAS LEYES DEL MUNDO ENTERO; GOBERNARAN DE DICHO MODO A LOS ESTADOS COMO SI SE TRATARA DE ARREGLAR CUESTIONES ENTRE CIUDADANOS DE UN PAIS.

LOS GOBERNANTES, ELEGIDOS DE ENTRE EL PUEBLO POR NOSOTROS MISMOS, EN RAZON DE SUS APTITUDES SERVILES, SERAN INDIVIDUOS NO PREPARADOS PARA EL GOBIERNO DEL PAIS. ASI, POR ESTE CAMINO, VENDRAN A SER LOS PEONES DE NUESTRO WEGO DE AJEDREZ FACILMENTE MANEJABLES POR LAS MANOS DE NUESTROS SABIOS Y GENIALES CONSEJEROS, DE NUESTROS ESPECIALISTAS EDUCADOS Y FORMADOS DESDE SU TIERNA EDAD PARA EL MANEJO DE LOS NEGOCIOS DE TODO EL MUNDO. COMO Y ALO SABEIS, ESTOS HOMBRES HAN ESTUDIADO LA CIENCIA DE GOBERNAR CON ARREGLO A NUESTROS PLANES POLITICOS Y A LA EXPERIENCIA DE LA HISTORIA, SIEMPRE OBSERVANDO LOS ACONTECIMIENTOS DE ACTUALIDAD. LOS GENTILES NO SE PREOCUPAN NI APROVECHAN LAS OBSERVACIONES QUE CONSTANTEMENTE PROPORCIONA LA HISTORIA, CONFORMANDOSE EN SEGUIR TEORIAS RUTINARIAS, SIN PREOCUPARSE DE SI DAN O NO BUENOS RESULTADOS. POR LO TANTO, DEJEMOS A LOS GENTILES Y NO NOS OCUPEMOS DE ELLOS; QUE SE DIVIERTAN HASTA LA CONSUMACION DE LOS TIEMPOS, QUE VIVAN CON SUS ESPERANZAS DE NUEVOS PLACERES, O CON LOS RECUERDOS DE LAS ALEGRIAS PASADAS. QUE SIGAN CREYENDO QUE TODAS ESAS LEYES TEORICAS QUE LES HEMOS INCULCADO SON DE UNA SUPREMA IMPORTANCIA. CON ESTAS IDEAS EN PERSPECTIVA Y EL CONCURSO DE NUESTRA PRENSA, LES HAREMOS AUMENTAR SIN CESAR LA CONFIANZA CIEGA QUE TIENEN EN SUS LEYES. LO MAS SELECTO ENTRE LOS GENTILES SE ENORGULLECERA DE SU CIENCIA Y, SIN NINGUNA CONFIRMACION, LA PONDRA EN PRACTICA; LA PROFESARAN TAL COMO SE LA HAYAN PRESENTADO NUESTROS ESPECIALISTAS,

MOLDEANDO SUS JUICIOS CON LAS IDEAS QUE SE NOS ANTOJEN A NOSOTROS. NO PENSEIS QUE CARECEN DE FUNDAMENTO NUESTRAS AFIRMACIONES. REPARAD EN EL EXITO QUE SUPIMOS INSUFLARLES AL DARWINISMO, AL MARXISMO Y AL NIETZCHISMO. EL EFECTO DESMORALIZADOR DE SUS DOCTRINAS EN LA IMAGINACION DE LOS GENTILES ES EVIDENTE.

TENEMOS NECESIDAD DE CONTAR CON LAS IDEAS, LOS CARACTERES Y LAS TENDENCIAS MODERNAS DE LOS PUEBLOS A FIN DE NO COMETER FALTAS EN LA POLITICA O EN LA ADMINISTRACION DE LOS PAISES. NUESTRO TRIUNFO DEPENDERA DE COMO NOS ADAPTEMOS AL TEMPERAMENTO DE LAS NACIONES CON LAS QUE NOS LIGAMOS; ESTO SOLAMENTE PODRA REALIZARSE APLICANDO LAS EXPERIENCIAS DEL PASADO A LAS CONSIDERACIONES DEL PRESENTE.

LOS ESTADOS MODERNOS POSEEN UNA GRAN FUERZA CREADORA: LA PRENSA. LA PRENSA DA A CONOCER LAS RECLAMACIONES DEL PUEBLO, EXPRESANDO EL DESCONTENTO DE ESTE Y, DE PASO, SEMBRANDO LA DISENSION. LA PRENSA ENCARNA LA LIBERTAD DE PALABRA. COMO LOS ESTADOS NO HAN SABIDO EXPLOT AR DICHA POTENCIA, NOSOTROS NOS HEMOS APODERADO DE ELLA. MEDIANTE LA PRENSA, HEMOS ADQUIRIDO UNA GRAN INFLUENCIA DESDE EL ANONIMATO. GRACIAS A LA PRENSA, HEMOS ACUMULADO ORO, A PESAR DE LOS TORRENTES DE SANGRE Y LOS INCONTABLES SACRIFICIOS QUE NOS HA COSTADO. CADA UNA DE ESAS VICTIMAS, NO OBSTANTE, VALE LO QUE MILLARES DE CRISTIANOS ANTE DIOS.

-Trecho do meu livro “DOSSIÊ”

-Mais, muito mais, eternamente-

Publicado dezembro 8, 2008 por heitordacosta em Livros

Cabeças Pensantes atentem e vigiem -O Plano. A sociedade e o Consumo-   1 comment

 
 
                  Cabeças Pensantes atentem e vigiem
 
 
         

                    Cabeças Pensantes atentem e vigiem

                        O Plano. A sociedade e o consumo.

Agora ela é mais mulher, linda! Sua pele ostenta um bronzeado conquistado internacionalmente; ilhas gregas, mediterrâneo, Mônaco, Saint Tropez, Caribe, Brasil.

Sentado na rede ao seu lado, agora posso reparar melhor nas pessoas que ali se encontram. São casais de meia idade. Justine segura a minha mão, dirigindo-se a eles faz as apresentações.

-Queridos amigos, hoje é um dia memorável e inesquecível para todos nós. Estou muito feliz e razões não faltam. Uma delas, importantes em todos os sentidos, é a presença dos nossos heróis, dos nossos amados amigos, Gedenilson Nonato e Daniel Dantas!

Os casais são três. Brindam-nos com aplausos. Pergunto a Justine pelo Jofre. Ela pede-me desculpas por haver se esquecido de citá-lo, o Jofre tinha ido passear com monsieur Jugnot.  Aproveitando a descontração, Justine apresenta-nos os seus convidados: o primeiro casal, conde Latif Assad e esposa, condessa Soraya Assad. Libanês, empresário da indústria têxtil, exporta seda. O segundo casal, o homem chama-se Adalberto Vieira, general do exército, adido militar, e sua esposa Regina Vieira, ex-miss Boa Vistense. O terceiro é embaixador titular da embaixada brasileira em Paris, chama-se Alfredo Telles Pinto e sua irmã bolsista do museu Louvre, artista plástica, Anita Teles Pinto. Todos brindam em sua homenagem. Eles também são admiradores da nossa causa, a luta contra a Ditadura do Índice de Audiência.

 

A tarde transcorria tranqüila, vários assuntos foram abordados. Durante a nossa conversação, o embaixador Alfredo observa que as ações desenvolvidas pelo partido Niilista Brasileiro e a Facção Boi Voador, contrárias as atividades impostas por parte da Mídia brasileira comprometida com a Ditadura do Índice de Audiência, devem ser tratadas sob uma ótica mais abrangente, que ajude enfocar o aspecto social, cultural, antropológico, deixando de lado o confronto direto, -passeatas comícios contestações- que possam desvirtuar confundir aqueles que precisam ser esclarecidos. Para que haja mudanças, não basta dizer, apontar, convocar a população para que deixem de assistir esses "programas” sem nenhum conteúdo, o mínimo de respeito às famílias. É terminante antes de tudo que sejam desenvolvidas opções, criarem-se ferramentas, que auxiliem a sociedade no combate, é necessário em primeiro lugar que uma parcela dela -a excluída- tenha voz, seja ouvida, respeitada. É indispensável conhecer seus anseios, suas manifestações culturais, esse complexo universo. A Ditadura do Índice de Audiência exige uma reflexão mais apurada, -mapear o sistema de significação e as necessidades simbólicas que ele envolve- a relação entre seres humanos e os objetos que almejam. O Consumo e a Cultura.

Bebo mais um gole do meu drink, – uma taça com champanhe Veuve Clicquot-, pergunto ao embaixador Alfredo, se a relação consumo e a cultura nos revelam que longe de seguir impulsos psicológicos ou estritamente racionais, os homens consomem de acordo com valores socialmente significativos. Ele diz que a teoria do consumo tem de ser uma teoria da cultura e uma teoria social, e por isso é necessário que haja um debate amplo com a sociedade incentivar os segmentos nas áreas sociais a darem a devida atenção ao estado de sua lógica e de seus significados na sociedade.

-Trecho do “meu livro ‘DOSSIÊ”

-Mais, muito mais, eternamente-.

Publicado dezembro 7, 2008 por heitordacosta em Livros