Cabeças Pensantes atentem e vigiem   Leave a comment

              

   Foto-Heitor                   

 

 

Cabeças Pensantes atentem e vigiem

As Lendas da Cultura maranhense

Quando iniciei minha carreira profissional-fim da década de 50-, tinha em mente o desejo de realizar uma serie de documentários que retratariam uma parte da cultura popular. As Lendas Maranhenses faziam parte desse meu projeto. O tempo passou, outras realizações levaram-me por caminhos diferentes.

Vejo com alguma tristeza o descaso e até certa ignorância, da parte de pessoas que trabalham com conteúdo voltado para os adolescentes e, de alguns setores do governo, em relação a esse patrimônio Cultural.

Então para tentar preencher esse vazio, peço licença ao grande educador maranhense e amigo, Mestre Andrade, e apresentar uma lenda de sua terra natal.

 

O Milagre de Guaxenduba

Há bons indícios de que a Lenda piedosa da providencial intercessão de Nossa Senhora para expulsão dos franceses, em 1615, nasceu logo depois de fato histórico que lhe dá origem. Em sua história da companhia de Jesus na extinta província do Maranhão e Pará (1759).

O padre José de Moraes demonstra a antiguidade desta Lenda, escrevendo: “Foi fama constante (e ainda hoje se conserva por tradição) que a virgem Senhora foi vista entre os nossos batalhões, animando os soldados em todo tempo de combate.

Conta-se que no principal e decisivo confronto entre portugueses e franceses, travado a 19 de novembro de 1614, diante do Forte de Santa Maria de Guaxanduba, já se tornava evidente a derrota dos lusitanos, por sua inferioridade numérica em arma e munições.

Apesar de lutarem, iam-se arrefecendo os ânimos dos soldados de Jerônimo de Albuquerque e eis que surge, entre eles, uma formosa mulher em uma auréola resplandecente.

Ao contato de suas mãos milagrosas, transformava-se a areia em pólvora e os seixos em projéteis. Revigorados moralmente e providos das munições que lhes estavam faltando os portugueses impõem severa derrota aos invasores, a cujos sobreviventes só restaram o recurso da rendição

E memória deste feito, foi a Virgem aclamada padroeira da Cidade de São Luiz do Maranhão, sobre a invocação de Nossa Senhora da Vitória.

Humberto de Campos celebrou está Lenda no Soneto intitulada O Milagre de Guaxenduba.

“Minha terra natal, em Guadenxuba

Na trincheira, em que o luso ainda trabalha

A artilharia, e os franceses derruba

Por três bocas letais pragueja e ralha.

O leão de França, arregaçando a juba

Saltou. E o luso, com tigre, o atalha

Troveja a boca do arcabuz e a tuba

Do índio corta o clamor e o medo espalha

Foi então que se viu, sangrando a guerra

Nossa Senhora, com o menino ao colo

Surgir, lutando pela minha terra

Foi lhe vista na mão a espada em brilho…

(Pátria e se a virgem quis assim teu solo

Quem por ti não fará quem for teu filho?)”.

-Mais muito mais eternamente-.

Anúncios

Publicado novembro 25, 2008 por heitordacosta em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: