Cabeça Pensantes atentem e vigiem -Livro DOSSIÊ-   Leave a comment

 
 
             Cabeças Pensantes atentem e vigiem
 
                                            Trecho
 
 
 

Cabeças Pensantes atentem e vigiem

Trecho

Desculpe-me.

-Esse personagem, – capitão Ubirajara, codinome Jofre, – resolveu por conta própria levar sua missão adiante. Pretendia descobrir como funcionava a Rede e, quais eram os elementos que nela participavam, – nas atividades no Brasil e exterior. –Assim, acompanhou o grupo até aqui. Logo após a sua chegada, realizou seu primeiro contato com seu superior no Brasil, recebendo instruções para que se apresentasse ao Diretor da Central de Inteligência e contra-espionagem em Paris. Logo depois iria conhecer monsieur Jugnot. O general Adalberto Diretor desse centro de informações, paralela a essas atividades, “exercia” o cargo de Adido Militar, na embaixada do Brasil. Tinha ele sob seu comando uma extensa rede de agentes, -contratados, – atuando em quase todos os segmentos da sociedade, entre eles, o monsieur Jugnot e madame Paullet. Os asilados, turistas, clandestinos, imigrantes e, sul-americanos, tinham suas atividades monitoradas por esses agentes.

O SIRAN desconfiava que a Facção Boi Voador e o Partido Niilista Brasileiro recebiam ajuda financeira do exterior havia indícios de que essa ajuda vinha de Paris. Foi então numa noite, em uma festa realizada há dois anos na embaixada brasileira, que o general Adalberto conheceu a

Fanny Girl. Ela participava de um desfile filantrópico realizado pela Maison em prol de uma campanha desenvolvida pelo embaixador Alfredo, – doação de agasalhos para os desabrigados. – Nessa ocasião, talvez por achar o mundo Fashion movimentado, muito interessante em matéria de mulheres,-tanto nas passarelas quanto na platéia,- ele aproximou-se da Fanny Girl, a princípio, seduzido por esses encantos. Com o passar do tempo ele foi levado pelo embaixador Alfredo a freqüentar as festas realizadas pela Maison e a Fanny Girl. Um dia ele em conversa com a Fanny na Maison, – tinha ido lá com pretexto de comprar um vestido para sua mulher, – sugere a contratação de monsieur Jugnot e da madame Paullet para trabalharem no Castelo de Loire. Alegou que eram seus amigos e estavam precisando trabalhar. Justine como era de praxe prontamente atende ao pedido. Mal sabia ela que os dois, monsieur Jugnot esse era seu codinome, o seu nome de batismo é Clement, o de madame Paullet Désirè, também tinham ligações com a Máfia Marselhesa. Com a presença desses “agentes“ contratados pelo general atuando dentro do Castelo, o dia a dia de Justine e das pessoas que freqüentavam esse lugar, eram monitoradas.

Passado algum tempo ele através das informações obtidas, toma conhecimento que Justine possui uma fabulosa fortuna. Então resolve elaborar um plano que lhe propicie apoderar-se dessa riqueza. Comunica ao SIRAN estar seguindo um grupo de asilados, que conspiram e elaboram as ações realizadas no Brasil contra o Sistema. -Ao fantasiar essas informações passadas, pretendia garantir a sua permanência em Paris, o tempo suficiente para concretizar seu plano-. O que ele não sabia é que, além de vigiado pelos agentes do SION, – organização dos ZELOTES, – seus superiores diretos, suas mentiras também despertaram atenção e o interesse desses agentes.

Um dia Justine cometeu um descuido quando em conversa com o Doutor Grenobelle ao telefone, – ouvida e gravada por madame Paullet, – pedia-lhe que efetuasse um depósito de dois bilhões de Dólares na conta dos “extras”, – Partido Niilista Brasileiro, para serem usados no Brasil.- A partir desse momento a vida do Doutor Grenobelle começa correr perigo. O plano estava sendo preparado de maneira segura; o general sabia da existência do dinheiro depositado numa determinada conta e, que não teria muito problema para descobri-la, – levaria apenas o tempo de pensar o que fazer e, como fazer para obtê-la do Doutor Grenobelle. – Quando tudo parecia acontecer de forma favorável, o general recebe uma comunicação do Brasil, -SIRAN,- informando-lhe da presença em Paris de um brilhante agente, capitão Ubirajara, infiltrado em um grupo de ativistas subversivos, que havia fugido do Brasil. Esse agente irá entrar em contato -imediato,- ficando o resto da Operação sob o comando do general Adalberto. Ele logo percebeu que deveria cercar-se de cuidados, a chegada desse agente poderia prejudicar seus planos, porém, ainda havia um fator favorável; obedecendo a ordens de seus superiores, os relatórios feitos pelo capitão Ubirajara, serão encaminhados

diretamente ao general Adalberto. -Assim, por certo tempo poderia monitorar as atividades do capitão e, continuar seus devaneios com o SIRAN-. O primeiro contato entre os dois ocorreu no Castelo da Justine logo no dia seguinte a sua chegada. Nessa ocasião o general recebeu as primeiras informações, muito valiosas, entre elas, uma que revelava a identificação da Justine como principal colaboradora e financiadora das atividades realizadas pela Facção Boi Voador e o Partido Niilista Brasileiro. – O general fez um esforço para conter sua euforia, – ordenou ao capitão Ubirajara que ele lhe enviasse as noticias de posse delas, aguardaria o momento adequado para usá-las. Com o passar do tempo, já aceito como amigo por Justine começa freqüentar com mais assiduidade a Maison e a passar os fins de semana no Castelo com a sua mulher, aliás, – muito bonita!- Nessas ocasiões, adotando uma nova tática, – captação de confiança, – ele finge ter e manifesta admiração pela causa defendida pelo Partido Niilista apesar de sua posição antagônica. Procedendo desta forma, tentava granjear simpatia, tornar-se mais íntimo de Justine. Foi tão excelente o seu desempenho, que o Doutor Grenobelle acabou atraído pelo engodo.

Então sem saber, o senhor Daniel naquele dia no Castelo, durante sua explanação sobre as novas propostas para retomar o combate a Ditadura do Índice de Audiência, revelou ter um fundo à disposição no valor de quatro bilhões de Dólares para serem aplicados. Essa revelação provocou -uma mudança- nos planos do general Adalberto. Ao saber que o Jofre fazia parte do conselho administrativo, – vice-presidente da Fundação, junto com os outros companheiros, – imaginou que havendo um desaparecimento deles, o Jofre seria levado a ocupar o cargo de presidente da Fundação. Então, isso acontecendo, apropriar-se dessa pequena fortuna, seria uma tarefa bastante fácil, pois só haveria pela sua frente o capitão Ubirajara -Jofre, – para impedi-lo. O general Adalberto sonhava com esse momento trazendo-lhe os seis bilhões de Dólares para com eles viverem nababescamente. Contudo, nenhum dos dois desconfiava que estivessem sendo vigiados pelos agentes dos ZELOTES.

Num tarde monsieur Jugnot, por intermédio de uma ligação telefônica informa ao general Adalberto que o segurança tinha decidido colaborar. Ele iria facilitar a entrada e saída dos membros da Organização na Maison.

-Senhor Latif, quer dizer que o Renan saiu pela portaria dos fundos?

-Todos os envolvidos passaram por ela.

-Qual foi à participação dele e, por quê?

– “Judas ganhou trinta moedas; como recompensa pelo fato de haver revelado o local onde o Cristo se encontrava aos seus perseguidores”, apesar das controvérsias quanto à versão do acontecimento histórico, quando existe um fato onde a traição é usada logo é comparada, Renan ganharia pela sua “colaboração”, – atrair o doutor Grenobelle a Maison, – quinhentos mil Dólares, mais a promessa de ocupar o cargo de vice-presidente para assuntos externos na América do Sul. – O artifício empregado por ele foi: segundo ordens da Justine, o Doutor Grenobelle deveria comparecer a Maison naquela tarde de sexta-feira, para recepcionar um grupo de executivos da Trade Company Gens que sábado iriam participar de uma reunião com ela. Quando o Renan chegou, passou pela recepção sozinho, em seguida dirigiu-se ao depósito que fica localizado nos fundos da Maison, ali há duas entradas; uma para funcionários e, a outra, para veículos. O vigilante que trabalha neste lugar recebeu 10 mil Dólares para deixar entrar um carro. Nele estavam monsieur Jugnot e, os Terroristas e participantes da Máfia marselhesa, Mustafá Ghailami, Hamad Salim, Nicolas, Gaston D’bruá.

-Então foram essas pessoas que torturam e mataram o Doutor Grenobelle?

-Sim. Os cúmplices são; o Renan, monsieur Jugnot. Mentor intelectual o general Adalberto. Na véspera da partida para a Argélia, -quarta-feira, – o general recebeu ligação telefônica na embaixada, era um agente graduado da Organização dos ZELOTES, mandando-o que comparecesse no café Lês Deux Magots localizado na Place Saínt-Germain des-Prés às 18 horas. Ali um agente iria procurá-lo. Ali Saleh relatou detalhes da Operação, que a Organização já tinha começado e, caberia ao grupo do general executá-la. A missão era explodir o Airbus A. 380 durante seu vôo. A Organização estava de posse das bombas, os mecanismos de retardo e os fusíveis delas, seriam instalados no local. Esse material tinha sido preparado por especialistas -Terroristas, – elas foram construídas cada uma com setenta quilos de potentes explosivos de uso militar, – TNT e SEMTEX-H, – reforçados por estruturas cilíndricas com oxigênio e gás acetileno combustíveis. 700 quilos de explosivos, que serão colocados no compartimento de bagagens e, distribuídos nos 73 metros de comprimento do avião. -A cada 10 metros será instalada uma bomba com setenta quilos de explosivos. –

-Trecho do meu livro DOSSIÊ.

-Mais, muito mais, eternamente-.

  

Anúncios

Publicado setembro 9, 2008 por heitordacosta em Livros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: